A fiscalização nos portais que dão acesso ao Circuito Maneca Ferreira na Micareta de Feira de Santana, resultou em apreensões de objetos perfurantes, armas brancas e drogas no primeiro dia oficial da festa, quinta-feira (19). Segundo o major PM Borges, comandante da Operação Apolo, os portais estão funcionando com patrulhas, que são orientadas a fazer a abordagem de todo folião, com o objetivo de impedir a entrada de qualquer objeto que possa representar risco à sociedade.

Segundo ele, várias facas, tesouras, objetos perfurantes, como espetos, foram apreendidos. Esses materiais são proibidos de entrar no circuito para impedir qualquer tipo de incidente. O major explicou que quando o objeto é entendido como arma branca, a pessoa é conduzida ao posto da Polícia Civil, caso não seja considerado arma branca, a polícia recolhe.

“Se for algum objetito de interesse do cidadão, fica no portal de abordagem para que ele possa na saída do circuito retirar. Um exemplo foi um cidadão que estava com uma tesoura de cortar grama. A gente sabe que esse é um objeto de trabalho, mas que não pode entrar no circuito, então o objeto foi recolhido e depois devolvido”, explicou.

Além dos objetos perfurantes, também houve conduções por porte de drogas e a prisão de um homem que estava com o mandado de prisão em aberto, por homicídio. Os policiais contam com detectores de mentais, cães farejadores, além de drones com câmeras de alta definição, no trabalho de fiscalização.

A Micareta conta com oito portais e cerca de 160 policiais trabalhando na fiscalização dos portais. Segundo o Major Borges, o trabalho se inicia no momento em que o tráfego na Avenida Presidente Dutra é fechado e só termina quando a festa é encerrada.

O coronel Luziel Andrade fez uma boa avaliação do primeiro dia oficial da Micareta e destacou o trabalho preventivo feito nos portais de acesso ao circuito da festa.

“Um dia extremamente positivo, sem grandes ocorrências e vamos continuar trabalhando para manter os números baixos. As pessoas brincaram de modo tranquilo, com consciência. Nosso grande trunfo é a fiscalização nos portais, pois a chegada é o primeiro impacto. A gente pede paciência, às vezes se forma uma fila grande de foliões, mas isso é necessário para um bom trabalho e uma festa em paz”, destacou.