A paralisação dos caminhoneiros com o objetivo de protestar contra os altos preços do óleo diesel, está afetando o abastecimento dos postos de combustíveis em Feira de Santana. Com os caminhões parados, não está ocorrendo o transporte dos produtos e consequentemente há a possibilidade de faltar combustível nas bombas.

Os postos de combustíveis são abastecidos diariamente e a paralisação dos caminhoneiros, que iniciou na segunda-feira (21), está impedindo o curso normal das atividades. Roque Pereira, que é gerente de um posto de combustíveis na BR 116 Norte, bairro Cidade Nova, alertou em entrevista ao Acorda Cidade  sobre a situação e informou ainda que o posto em que trabalha baixou o preço da gasolina e do etanol.

“A gasolina está custando R$ 4,33 e o álcool R$ 3, 17 o litro. A gente está com dificuldades porque não há reposição de combustível desde segunda-feira. Está acabando o estoque que tem e amanhã deve ficar sem combustível. Caminhão não passa e não carrega nas distribuidoras em Candeias Madre de Deus. Quando carrega não chega porque há o bloqueio nas rodovias. O estoque está acabando. Normalmente recebemos todos os dias e quinta-feira vamos deixar de operar por falta de produto e porque o estoque estará zerado”, frisou.

Roque Pereira relatou também que devido a alta nos preços dos combustíveis, os demais clientes estão abastecendo o valor mínimo possível com esperança de o governo reduzir os preços. O posto fez inclusive algumas promoções para não perder vendas.

“Gasolina e álcool estão acabando e diesel nós temos porque os caminhões estão parados. Raramente acontece de abastecer uma pick-up ou outra. Fizemos uma promoção para reduzir os preços, mas o governo ainda não diminuiu”, afirmou.

 

O gerente do posto comentou que o movimento nas vendas de combustíveis caiu em torno de 50%.

O Acorda Cidade entrou em contato com outros postos de combustíveis e foi informado que alguns veículos foram impedidos de seguir com a viagem e estão retidos nas rodovias onde os protestos estão ocorrendo. Já outros postos estão abastecidos e acreditam que conseguem atender a demanda até o fim da semana.