O policial militar Sérgio Ricardo Sobral Ramos se apresentou na manhã desta sexta-feira (22), no Complexo de Delegacias do bairro Sobradinho, em Feira de Santana. Acompanhado pelo advogado Guga Leal, o militar prestou depoimento ao delegado Luiz Filgueiras sobre seu envolvimento na morte do subtenente Juceny Rodrigues da Fonseca Otoni, 48 anos, que era lotado na 66ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM), fato ocorrido na noite de ontem (21), na rua El Salvador, conjunto Feira VII. 

Segundo informações da polícia, houve um confronto envolvendo ele, que estava acompanhado pelo colega Adriano Nascimento da Silva, que foi ferido na perna, e a vítima, durante uma abordagem. 

“O soldado falou que estava em um comércio alí próximo e um transeunte teria informado que um cidadão com algumas características, a bordo de uma moto CG, com mochila preta nas costas, teria roubado três celulares nas proximidades, e, que eles de imediato, passaram a fazer diligências no local, encontrando o rapaz (vítima). Na abordagem, o rapaz estava armado, que eles pediram para o rapaz não pôr a mão na cintura, mas o rapaz reagiu e houve a troca de tiros”, contou o delegado.

Ainda de acordo com o delegado Filgueiras, o soldado não soube precisar quem atirou primeiro e alegou que a ação foi muito rápida. A polícia informou que duas armas foram utilizadas no tiroteio: uma pistola ponto 45; do soldado; e uma ponto 40; do subtenente.

Luiz Filgueiras informou que as investigações continuam e o outro policial também será ouvido quando receber alta do hospital.

O advogado Guga Leal informou que foi procurado pelo soldado Ricardo e o apresentou, juntamente com uma das armas utilizadas no confronto. 

“Trouxe o senhor Ricardo, trouxe a própria arma e entregou ao delegado e explicou que estava com o colega Adriano, quando a esposa ligou solicitando que ele comprasse salsichas para fazer cachorro-quente para o filhos, e como ele mora perto do local, foi nesse mercadinho e quando chegou, chegou um transeunte dizendo que uma pessoa com uma mochila nas costas estaria roubando celulares. Ele, com o instinto de policial, o que é natural, foi no encalço e na abordagem foi o que vocês viram nas imagens. Infelizmente, um acidente o que ocorreu alí, no momento, quando na abordagem houve uma troca de tiros. O subtenente deve ter achado que eles (soldados) eram bandidos, na moto, e eles também acharam que o subtenente era um bandido”, relatou o advogado.


Após ser ouvido na delegacia, o soldado foi encaminhado para o Comando de Policiamento Regional Leste (CPRL).